Pelo direito de sofrer

Categoria: Relacionamentos | 4 de setembro de 2017

Bom dia, gente!

Aqui é Kelly falando, diretamente do planeta fossa 😀

Queria dizer ao mundo que tenho profunda gratidão pelas boas intenções dos amigos e palavras de incentivo do tipo “sai dessa”, “não se entrega”, “bola pra frente”, “distrai a cabeça”, etc.

Do fundo do coração, muito obrigada.

Só que assim…

Não.

Apenas não.

Dor é uma coisa curiosa. Ela exige atenção (essa frase estava me parecendo familiar… e aí, lembrei: no “A culpa é das estrelas o Augustus fala isso bastante, que a dor exige ser sentida). Chega pra uma pessoa que acabou de prender o dedo na porta do carro e diz: “que isso, distrai a cabeça, foca no lado bom da vida”.

Claaaaaro, aham, já fiz já.

Então, não. Não dá.

Dizer que se arruma outro melhor logo, logo, está no mesmo patamar. Quem é que tá pensando (ou tem possibilidade de pensar) em outro agora?! Eu não quero outro, saca?! Se eu quisesse, eu não estava sofrendo (rsrs). Pode vir Rodrigo Hilbert fazendo dança sensual pelado na minha frente – pô, legal, mas não é isso. Não é esse. Simples assim. Eu queria querer outro? Não (!!!) (não mesmo). Eu queria era não querer esse. Só que a gente não deixa de amar as pessoas do dia pra noite. E os sonhos e planos alimentados e construídos por anos não te deixam magicamente, como se nunca tivessem existido, só porque a possibilidade de concretizá-los saiu pela porta com o cara que você amava e terminou com você.

Isso não significa que, de repente, eu ache que tudo é uma merda, que o mundo não presta, que o universo é esse lugar somente horrível, que é o fim e que eu quero morrer. Não também. Eu tenho plena consciência dos dias lindos que tem feito lá fora – um sol preguiçoso, quentinho de um jeito gostoso no ar frio – e que essa coisa berrante e desesperada no meu peito (que é o meu pobre coraçãozinho feito em cacos) eventualmente vai se acalmar e se refazer.

Só que, enquanto isso não acontece, é uma merdaaaaaaaa (!!!!).

E não vai deixar de ser uma merda (merdaaaaaaaa!!!!!!) só porque existe vida lá fora.

Na verdade, existe vida aqui dentro também. Só que essa foi completamente cagada pelo universo (uahaha).

Aí, a gente já adianta o que vem, né: “isso é aprendizado”, “isso está acontecendo pra que outras coisas melhores aconteçam”, “tudo vai dar certo”.

Que lindo…

Sim, ok, não desacredito disso.

Mas isso é *futuro*.

E eu não estou no futuro, eu estou no presente.

E o meu presente dói.

E, infelizmente, eu vou ter que viver isso até passar.

Então, tragam lencinhos.

 

comentários via facebook