“Críticas construtivas” (ênfase nas aspas)

Categoria: Relacionamentos | 25 de abril de 2017

Eis a situação:

Um casal conversa. A mulher, que havia recebido um dinheiro inesperado, pondera sobre o que fazer com ele e pede a ajuda do homem para pensar junto:

“Eu poderia chamar alguém para tapar os buracos na parede que os cachorros fizeram”, ela diz. “Ou mandar consertar as rachaduras de vazamento na parede do quarto… Ou trocar de colchão, já que, o que está aí, está velho e faz as minhas costas doerem… Ou ajeitar o sofá, que está todo rasgado… Ou ajeitar as cadeiras da mesa da sala, que estão todas desmontando…”

Segue a lista. Todos os itens, nesse nível.

Quando parece que tudo o que está quebrado, furado, vazando, descascando, etc. foi mencionado, ele vira pra ela e diz:

“Você podia aproveitar e ir no cabeleireiro”.

(?!?!?!?!?!?)

Aí, dentro da mulher, como né?

*Pausa tensa*

“O que você quer dizer com isso?” Ela pergunta, já num tom de vai-dar-merda.

“Nada, ué. Seu cabelo está ressecado, só isso”.

O tempo fecha no rosto dela e suas palavras saem com a lentidão do que está prestes a explodir:

“Em algum momento eu expressei algum tipo de insatisfação com o meu cabelo?”

“Não. E eu adoro o seu cabelo. Mas acho que ele precisa de mãos profissionais. É só uma sugestão, uma crítica construtiva. É cuidado”.

Nessa hora, olhando pra cara dela dá pra ler claramente o *crítica construtiva e cuidado é o caralho!!* que não sai, mas que está inegavelmente ali.

A briga come entre os dois.

Ele dizendo que ela está fazendo tempestade em copo d’água e que não tem problema nenhum ele “expressar preferências”. Ela, revoltada com o absurdo de tudo isso.

.•°*°•.¸.•°*°•.¸.•°*°•.¸.•°*°•.¸

Vamos lá.

Muita merda nessa vida é dita e feita sob os rótulos da “crítica construtiva” e do “cuidado”.

Crítica construtiva é quando eu percebo que o outro tem uma necessidade ou uma vontade – que é *dele*, e não *minha* imposta a ele – que ele está tendo dificuldade em concretizar. Diante dessa dificuldade, talvez eu tenha sugestões para dar – claro, ***se*** a pessoa quiser sugestões – de coisas que possam ajudar a pessoa a conseguir, ou a pensar em formas de conseguir, aquilo que ela quer. Isso é crítica construtiva.

Cuidado (para) com o outro é quando eu estou ciente e consciente das necessidades **do outro** – necessidades *dele*, e não *minhas* impostas a ele -, e faço coisas – que eu posso e **quero** – para atender/suprir essas necessidades. Isso é cuidado.

Logo, o homem do diálogo não estava nem fazendo “críticas construtivas”, nem “cuidando” da mulher. O que ele estava fazendo era expressar o desejo de que ela atendesse ou suprisse as necessidades estéticas dele (!!!). Necessidades estéticas que eram só dele, e não dela. Isso sem falar no contexto, né? Bem diferentes as prioridades dos dois…

Enfim…

Gente, ninguém tem que ser o projeto estético de ninguém. Ninguém tem que fazer intervenções no próprio corpo de nenhum tipo para atender vontades/necessidades que são só de outros, e não dos próprios. Ninguém!!!! Se isso, em algum momento, for posto para vocês de forma impositiva, reajam! Coloquem a pessoa no seu devido lugar e/ou pulem fora! Isso é desrespeito.

Existem inúmeras maneiras não impositivas e não desrespeitosas de “expressão de preferências”. Uma delas, que é maravilhosa e funciona que é uma beleza pra todos os envolvidos, é o elogio (sincero, claro). Quando a pessoa com quem você se relaciona, coloca uma roupa, ou faz alguma coisa no cabelo, ou pinta a unha, ou faz depilação ou algo assim (***porque quer***), e você gosta *e elogia*, ela aprende de uma forma super gostosa, sobre as suas preferências e necessidades estéticas. Assim, quando ela quiser que você a ache mais atraente e bonita, ou quando ela quiser se sentir mais atraente e bonita perto de você, é bastante provável que ela vá se arrumar ou fazer coisas considerando essas preferências. Mas olha só que legal: não por obrigação, não por insegurança, não por imposição, mas por vontade própria.

E isso faz toda a diferença do mundo.

E pra quem não entender, vamo lá, cartãozinho do Buda:

 

 

 

 

 

 

 

 

comentários via facebook